Os tipos de anomalias uterinas

O útero é um músculo que em sua anatomia dita normal tem  formato de uma pera de cabeça para baixo.
No entanto existem algumas mulheres que apresentam condições diferentes, as chamadas anomalias uterinas.

Útero bicorno (útero com dois “chifres”): é o mais comum. Esse tipo de útero  parece um coração, com um recorte na parte superior central. Em caso de gestação, o bebê tem menos espaço para crescer.

Útero unicorno (útero com um “chifre”):  O útero unicorno apresenta metade do tamanho de um útero normal e traz consigo apenas uma trompa.

Útero duplo ou didelfo: Esse tipo de útero tem duas cavidades internas e pode também apresentar dois colos do útero e duas vaginas.

Útero septado: a cavidade interna do útero é dividida por uma parede, chamada septo. Esse septo pode dividir o útero descendo até o colo do útero, ou parando na metade do caminho.

anomalias do úteroÚtero retroverso

Não é considerado uma anomalia uterina, mas ainda assim é uma condição diferente da dita normal.

Na posição mais comum do útero, ele se encontra inclinado para frente, na posição em que os médicos chamam ante versa. Algumas mulheres apresentam o útero inclinado para trás, é o chamado útero retroverso, retrovertido ou virado.

Esse tipo de condição não afeta a fertilidade e nem prejudica a gravidez. O único agravante é que mulheres com essa condição estão mai s  propensas a desenvolver endometriose. Isso ocorre devido a dificuldade de escoação adequada do sangue menstrual.

A gravidez e as anomalias do útero

Há um risco maior de ter complicações na gravidez para mulheres com anomalias uterinas, principalmente se a condição for útero unicorno. Existe maiores chances do bebê estar sentado no momento do parto, o que aumenta as chances de parto cesáreo.

O maior problema para evolução da gravidez em úteros com anomalias é devido ao menor espaço disponível para o bebê se desenvolver, aumentando a sobrecarga ao coló do útero. O coló do útero pode não suportar o peso e a pressão e abrir antes do tempo. A alternativa viável para prevenir o problema é a cerclagem, cirurgia para manter o colo do útero fechado.

A verdade é que não existem dados concretos, mas sabe-se que existem indícios, principalmente quando o caso é de útero septado, que as chances de aborto são maiores em mulheres com anomalias uterinas.

É possível tratar as anomalias uterinas?

Quando a anomalia é motivo de infertilidade ou maior dificuldade de concepção, o médico pode sugerir uma laparoscopia para analisar com mais cuidado o útero e as tubas uterinas. Se necessário um septo pode ser retirado.

O septo também pode ser retirado através de uma histeroscopia um procedimento mais simples que não traz consigo os riscos de aderências e cicatrizes que podem acontecer após a laparoscopia.

Já estou grávida, e agora?

Faça um acompanhamento rigoroso com seu obstetra de confiança e siga todas as suas orientações. A maioria das mulheres conseguem ter uma gravidez bem tranquila. No entanto é preciso ficar atenta aos sinais de parto prematuro.

Fonte

Deixe uma resposta